Por Cândida Inthurn.

 

Indústria 4.0, ou Quarta Revolução Industrial, automatizada, controlada por robôs e baseada em sistemas ciber-físicos, deixa para trás a fábrica tradicional, com suas linhas de produção barulhentas e repletas de máquinas e engrenagens. Neste novo cenário, com o avanço dos sistemas de Big Data e a Internet das Coisas, os processos produtivos repletos de sensores podem ser controlados remotamente.

O conceito de Indústria 4.0 ganhou força na Alemanha através de um projeto estratégico envolvendo empresas, universidades e o governo com a proposta de modernizar a indústria local que, aliás, já era um tanto desenvolvida. Aos poucos este conceito disseminou-se para outros países.

Os alemães usam este termo em função das três revoluções industriais já existentes. A atual revolução, a quarta, é a fase em que as máquinas, baseadas em sistemas ciber-físicos, tomam decisões de quando ligar, desligar ou de quando acelerar ou reduzir a produção no ambiente industrial. Os alemães batizaram esta fase de “Indústria 4.0”, já os americanos e os chineses a chamam simplesmente de “Manufatura Avançada”.

Vale lembrar que a 1ª Revolução Industrial impulsionou a mecanização da produção usando água e energia a vapor. A 2ª Revolução Industrial introduziu a produção em Mais >